6 de dezembro de 2011

Tem dias...

"O Grito" - Munch



Tento olhar para cima,
despir-me de medos…

Crer que a estrada não está cortada.

Mas o final omite-me a vontade.
E o chão que piso leva os pés de mim.

Perco a saída e tento nova entrada.
Sempre alheado do rumo…

Desenho círculos perfeitos,
Formas que mais ninguém vê.

Por vezes, quero desaparecer…


O que não passa de um desejo,
fechado numa velha gaveta
que abro só para mim.

Tem dias… Assim.


João Pedro / 1996

12 comentários:

Fragmentos Intemporais disse...

E eu que o diga...

João disse...

Estes dias, que mais pareciam descidas ao abismo, que o lugar do meu amor-próprio deixara em aberto, não deixam saudade.
Mas também contribuíram para formar, a pessoa que sou hoje.
E hoje, não espero que a vida seja um "mar-chão". Só quero ter um barco que resista á ondulação.

B* disse...

Gostei muito, do poema e do teu comentário.
E após esta leitura,
abrem-se as palavras e brotam a partir da ponta dos meus dedos...

Na altura em que a escuridão se apodera incansavelmente do nosso brilho,
recuamos e encostamos a nossa alma a um canto..
temos medo. Choramos. Desistimos.

Mas é esse o nosso inico. O nosso Eu que se fortalece a cada segundo.
Conquistamos com a alma tudo aquilo que cuidadosamente alia o coração vs razão. Crescemos. Voamos para um mundo real. Tão real que o sentimos na palma da mão, tal e qual ele o é.
E isto é crescer; acreditar nos sonhos, mas saber, que são tão somente o brilho que nos guia neste caminho. A realidade é a nossa força, a coragem e a luta diária.

Luna Sanchez disse...

Sim, tem dias em que o desalento impera.

Bonito post, gostei daqui.

=*

João disse...

Barbara, pensamos de forma parecida. A ponte que liga os sonhos á nossa realidade, é a nossa força, a coragem e a luta diária. Precisamente!
Lê este texto... Tem algo a ver com o que estamos a "falar" ;-)
Beijinho

http://tripascoracao.blogspot.com/2011/11/sonho-tragico.html

João disse...

Acabei de sair do teu blog, Luna. E adorei. Adorei a forma de como te expressas, o requinte que vai até ao pormenor de... Um cantil térmico? =D Muito bom, Luna.
Já estás ali, "do lado direito". Para te ir acompanhando, neste mundo... Dos blogs. *

Eli disse...

Encontrei o teu blogue e olha... li algumas coisas, portanto resolvi comentar para saberes quem passa por aqui... Quanto ao medo, todos sentem, agora resta como fazem para lidar com ele.

:)

Dois Rios disse...

Dias angustiantes, sombrios, vazios de perspectivas e, como lindamente você versou, com a estrada cortada. Mas passam, meu amigo. Tudo passa. O que fica como resíduo dessa agonia, são belos poemas como esse.

Beijo,
I.

MLiz disse...

Tens dias assim...Tenho dias assim...
Um abraço
MLiz

João disse...

Eli, penso da mesma forma. O medo é um sentimento que caracteriza qualquer Ser humano. E não só... Agora, a forma como lidamos com este, é o que nos distingue dos demais. E é a enfrentar os meus medos, que me sinto a crescer. Que me torno mais forte.
Gostei de ficar a saber que visitaste o meu blog ;)

João disse...

Ainda bem que gostaste, Inês. De facto, são dias assim, que dão valor aos outros, aos dias bons.
Beijinho

João disse...

MLiz, quem diz não ter dias assim, não está a ser sincero. Temos e ainda bem. Porque é nestes dias, que vamos aprender a dar valor aos dias bons.

Beijinho