16 de fevereiro de 2012

A Essencia das Coisas

A incapacidade para interpretar os sentimentos do meu pai, por mim, é latente neste "Amor Paternal", o qual escrevi com vinte e poucos anos.
Embora ele seja uma pessoa peculiar na sua forma de dizer:
- Gosto de ti. (nunca directamente, por palavras)
E, por vezes, não exista mesmo nada para interpretar, fruto dos defeitos que tem, como todos nós, eu, nesta altura da minha vida, era incapaz de ler nos pormenores, de interpretar certas demonstrações de afecto, dos outros por mim, quando fugiam ao explicito.
Hoje, ao ler este texto e viajando até aquele tempo, percebo que o problema estava realmente em mim e na forma como lidava com o mundo e, principalmente, com o “Eu”.
Talvez faltasse a calma e a segurança para absorver a essência das coisas, não somente a aparência.
Talvez criasse demasiadas expectativas (como se ansiasse
 por estar sempre um passo à frente), não me permitindo ir conhecendo e desfrutando da pessoa ou da situação, naquele preciso momento em que o desconhecido, se dá a conhecer.
Porque hoje sei que é aí que se encontra, a essencia das coisas.

15 comentários:

Olinda disse...

é. os caminhos são importantes. mas até a essência das coisas exige reciprocidade - de outra forma o desconhecido assim permanece. :-)

João disse...

Cada um faz a sua parte, interpreta o seu papel, como sabe e quer.
Depois, depois logo se vê.
Procuro não perder tempo, no que não depende de mim. :-)

Olinda disse...

excelente conduta, então. :-)

Brown Eyes disse...

Como diz a Olinda em tudo tem que haver reciprocidade e tu só não consegues melhorar uma relação por mais vontade que tenhas. Um Pai tem em primeiro lugar que deixar espaço para que a personalidade do filho se desenvolva e muitas vezes ele quer reprimi-la, quer que o filho pense e haja como o pai. Isso é impossível. Costumo dizer que se um é filho o outro é pai devem portanto um ao outro amor e respeito. João vou ser muito sincera contigo: Não deves mesmo perder tempo porque essa perca de tempo, essa vontade que temos que eles nos julgue pessoas capazes do seu amor prejudica muito a nossa vida. Há coisas que nunca mudam, principalmente quando se se trata de duas pessoas e só uma quer que melhorem. Beijinhos

João disse...

Olinda, já reparaste nos acentos? Não me esqueci. Pode é sempre ficar algum esquecido. À espera de ser corrigido. :-)

João disse...

Revejo-me nas tuas palavras, Mary. Sabes quando isso deixou de ser assim, comigo? Quando deixei de procurar aprovação dele, no que fazia ou queria fazer. Hoje faço. E se procuro opinião antes de tomar alguma decisão (o que é bom fazer), vou ter com alguém de confiança, não alguém mansinho, mas alguém que não tem problema em expressar a sua própria opinião, mesmo que vá no sentido oposto à minha, mas que esta tenha algo de construtivo para mim. Olha, alguém como tu, por exemplo.

Joselito de Souza Bertoglio disse...

Muito legal teu blog, encontrei textos e poesias belissimos, voltarei mais vezes já estou seguindo. escrevo uns textos tortos e te convido a vir conhecer o meu blog http://joselito-expressoesdaalma.blogspot.com, se gostar segue lá... ficarei feliz com sua visita!!! Abraços.

Olinda disse...

:-)

João disse...

Fico sempre feliz quando alguém aprecia meus textos e poemas retrocidos, Joselito.
Já visitei o seu blog e gostei bastante de seus textos tortos. Joselito, há gente que não vai lá, nem com eles direitos.

Abraço.

LUZ disse...

Bom entardecer João Pedro, (espero, não estar a acrescentar um nome, ao seu próprio nome)

Então veio até ao Estádio da Luz?
E o Senhor Leão não encontrou nenhuma águia?
É que eu sou do clube das águias, veja lá!
Então veio até ao meu blogue!!!!!!!!!!!
Espantoso! Eu tinha razão.

Li o seu texto, o seu desabafo, e acho, que o filho sai ao pai.
Tenha um resto de bom Domingo, porque eu estou de férias até 4ª feira.

Saudações cordiais.

João disse...

LUZ, o filho é, de facto, na maior parte das coisas, o oposto do pai. Felizmente!
Pensar assim não me leva a sentir que estou a denegrir a imagem do meu pai. Simplesmente, gosto muito mais de estar no meu corpo. E mente.
Pois, Luz! Benfica! Tem tudo a ver. Se há alguém que me faz tolerar o benfas, são vocês, Mulheres. É que, quer eu queira quer não, estou destinado a cruzar-me na vida só com benfiquistas. Vicissitudes na vida de um lagarto... LOL

Beijinho e boa semana.

Brown Eyes disse...

Obrigada João pela consideração que tens por mim. A vida ensina-nos muito e quando ela é agitada porque alguém, não nós, a agita há que aprende ou então acabamos desfeitos. Foi o que fui fazendo mesmo errando no meio. Esses erros aproveitei-os e fui pondo de lado tudo o que não me permitia ser feliz. Sou imperfeita, sei disso, todos somos, até aqueles que vivem gritando os nossos erros. Nós sabe-mo-lo eles não. Pede opinião, faz crescer, mas depois toma tu a decisão tendo conta o que tu pensas e o que o teu coração diz. Sabes que ainda hoje me arrependo de ter tomado uma decisão na minha vida com base na opinião dos outros e de não ter ouvido o meu coração?
Beijinhos

João disse...

Este mundo dos blogs é estranho, na medida em que não existe forma fisica. Apenas a forma das palavras. Nunca se sabe bem quem está do outro lado. Por isso, procuro construir uma imagem partindo das palavras escritas.
De facto, fiquei impressionado com a imagem que fiz de ti, Mary.
Gosto de me ver rodeado de pessoas assim, como já te tinha dito.
E acredito que este é um sitio, tão bom como outro qualquer, para se construir uma amizade.

Beijinho

Inês Rocha disse...

João, não conhecia este teu blog. Como é possivel? Com calma vou explorá-lo. Gostava que houvessem publicações de 2014! Bjinhos :)

João Pedro Canário disse...

Inês, explora-o livremente! Isto não é somente meu... É nosso!
Beijinho